Tratamento de Varizes sem Cirurgia

Tratamento de Varizes sem Cirurgia

Varizes causam dor, queimação, sensação de peso nas pernas e inchaço nos tornozelos. Em torno de 40% da população brasileira sofre com esse problemas. Sua incidência é mais frequente entre as mulheres. De acordo com o Ministério da Saúde, de cada 100 mulheres, 32 chegam aos 30 anos com veias escuras e inchadas.
As causas podem variar, mas sabe-se que a predisposição genética favorece o surgimento das varizes. Quem tem casos na família deve seguir alguns cuidados, como evitar ficar muito tempo em pé ou sentada, praticar atividade física e ficar atenta à alimentação, pois o excesso de peso prejudica a circulação.
Se mesmo assim as varizes aparecerem, procure um cirurgião vascular ou um angiologista, esses são os únicos profissionais com conhecimento específico para realizar procedimentos em varizes. Converse com o médico e peça informações sobre as novas técnicas, menos invasivas e bastante eficazes.

A escleroterapia, também chamada de “aplicação” ou até mesmo de  “secagem de vasinhos” é um procedimento médico realizado para o tratamento de vasos sanguíneos dilatados ou mal formações, ou seja varizes nos mais diversos tamanhos. A técnica de aplicação de espuma para eliminar as varizes é bem mais simples que a cirurgia convencional.
Mas como ela funciona? Com o acompanhamento de um aparelho de ultrasonografia, em tempo real, o cirurgião aplica uma pequena quantidade de espuma direto na veia doente. No consultório mesmo, sem cortes, internação ou anestesia. Geralmente a dor é pequena, as medicações mais modernas e o uso de agulhas extrafinas reduziram bastante a sensação de dor, causada pela injeção.
A técnica é recente e não possui fins estéticos, mas substitui a necessidade de cirurgia. Indicada para pessoas idosas, em que o risco operatório é maior que o benefício, conseguimos eliminar a sensação de peso nas pernas causada pelas varizes mais volumosas. Outra recomendação para aplicação de espuma densa são os pacientes com manchas nas pernas por quadros avançados de varizes ou úlcera varicosa, alcançando uma cicatrização mais rápida.
Pacientes que não desejam interromper suas atividades diárias ou se submeter a um procedimento no hospital são candidatos à injeção de espuma densa, porém a escleroterapia não será eficaz e não deve ser feita quando os vasinhos estão conectados as veias varicosas, suas nutridoras. Nesses casos, a microcirurgiadeve ser indicada, lembrando que o especialista capaz de identificar o problema e indicar o melhor tratamento é o cirurgião vascular.

Os cirurgiões vasculares da Clínica Vena lembram que apesar de tantos benefícios, a aplicação de espuma densa pode pigmentar a pele (gerar manchas), portanto, não deve ser usada para fins estéticos. O procedimento é realizado em algumas sessões e sempre com uso da ecografia. É possível levar a oclusão das grandes varizes, com benefício na redução da dor e das tortuosidades importante.

Escleroterapia Estética

Aproximadamente 47% das mulheres possuem aqueles vasinhos nas pernas. Esses vasos são chamados teleangiectasias e seu tratamento gera o desaparecimento completo. É considerada uma patologia crônica, isso é, seu aparecimento é contínuo nas pessoas que tem essa tendência, a partir de determinada idade.

“É importante compreender de que forma surgem e quais os tipos de teleangiectasias de cada paciente, para que o tratamento possa ser individualizado e adequado, já que são inúmeras as opções que podem ser utilizadas.” afirma o Dr. Felipe Zoppas, da clínica Vena.

Em mãos experientes, a espuma de baixa concentração traz resultados excelentes já na primeira sessão. Esses resultados podem variar de paciente para paciente, sendo necessárias sessões complementares para o desaparecimento completo.

“Diferentemente da espuma densa, como o calibre das veias é bem mais fino, o tratamento visa resultados estéticos, com a remoção completa dos vasinhos.” complementa o doutor.

É muito importante que o paciente siga as orientações de pós escleroterapia do especialista, que podem variar de acordo com a técnica utilizada e calibre de veia tratada. O cirurgião vascular irá lhe dar as recomendações adequadas ao seu quadro: quando você pode retornar as atividades físicas, qual o período sem tomar sol, uso de meias elásticas, cremes ou remédios necessários.
Na Clínica Vena, dispomos de toda tecnologia necessária para que o tratamento obtenha os melhores resultados, com menor índice de dor e pigmentação, associando a redução no número de sessões necessárias para o desaparecimento completo dos vasinhos, mesmo nos casos mais complexos. As vantagens e desvantagens de cada técnica devem sempre ser consideradas, sabendo que não existe técnica perfeita, e sim, a melhor técnica para cada paciente.

“Doutor, os vasinhos voltam?”

Essa é uma das principais perguntas que surgem no decorrer dos tratamentos.  A recidiva pode ocorrer, pois tratamos a consequência, e não a causa da doença. Quando corretamente tratada é normal a reincidência parcial em alguns anos, variando com o paciente e sua doença. A parte genética da doença ainda não tem cura, mas quando a insuficiência venosa é tratada, a velocidade de aparecimento de novos vasinhos e varizes diminui muito.

“Quantas sessões são necessárias?”

O número varia muito entre os pacientes. Impossível precisar, dependendo da quantidade de vasos, expectativa de melhora, resposta ao tratamento, tolerância à dor, assiduidade e adesão às orientações pós tratamento. Alguns vasos desaparecem, outros diminuem e outros não respondem. Por isso é necessário novas sessões. Os intervalos entre as sessões devem ser em média de 15 dias. Associação de drogas e técnicas reduzem a quantidade de sessões.

Para esclarecimentos específicos, procure um cirurgião vascular. Ele é o profissional que poderá avaliar o seu caso individualmente e sugerir o melhor tratamento para você.

No Comments

Post A Comment