Tromboflebite e Trombose Venosa. Qual a diferença?

Tromboflebite e Trombose Venosa. Qual a diferença?

É muito comum que as pessoas façam alguma confusão entre tromboflebite (também conhecida como Flebite) e Trombose Venosa, uma vez que as duas doenças são formadas a partir de coágulos que ocorrem no interior das veias. Entretanto, não são a mesma coisa e, tanto para prevenção quanto para o tratamento, é preciso entender os sintomas e as particularidades de cada uma.

Nos próximos tópicos, vamos explicar alguns dos principais aspectos envolvendo a flebite ou tromboflebite e trombose venosa. Acompanhe!

 

O que é a Flebite (ou Tromboflebite)?

É uma reação inflamatória da parede e dos tecidos ao redor de uma veia superficial com ou sem a presença de um trombo em seu interior. 

São inúmeras as causas, porém as mais importantes são o uso de medicação intravenosa, trauma e varizes.

A flebite também pode ser a manifestação inicial de várias doenças mais graves, como câncer, trombofilias e algumas doenças reumatológicas. É importante ficar atento.

 

Sintomas

Manifesta-se por dor, vermelhidão e calor no trajeto da veia acometida. O coágulo no interior da veia geralmente é palpável como um cordão endurecido.

Deve ser avaliada por um cirurgião vascular, visto que pode progredir para o sistema venoso profundo e causar uma trombose venosa profunda.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é confirmado com o ultrassom doppler que visualiza o trombo dentro da veia.


A tromboflebite ocorre somente como complicação de varizes?

Eventualmente, a flebite ou tromboflebite pode ocorrer em veias previamente saudáveis, porém induzidas por agressões externas. Talvez o exemplo mais comum seja a flebite induzida por medicamentos.

Outra situação bem conhecida são pessoas que têm tromboflebite das veias após terem sido submetidas à quimioterapia por aquelas vias de acesso por onde a medicação quimioterápica é infundida.

Nessas condições de trombose venosa superficial não relacionada à presença de varizes, estudos recentes reconhecem os fatores de risco associados à tromboflebite durante uma internação:

  • Tamanho (largura e comprimento) do cateter
  • Duração do tratamento com medicações endovenosas
  • Local de inserção do cateter
  • Material do cateter
  • Tipo de medicamento infundido
  • Qualidade da veia usada no acesso
  • Tempo de permanência do cateter
  • Tipo do cateter
  • Inserção e cuidado do cateter por equipes especializadas

 

E o que é a trombose?

Já a trombose prejudica as veias por onde passam grandes quantidades de sangue. Aliás, esse fator faz com que o risco de um pedaço do coágulo se soltar aumente. Caso isso ocorra, o coágulo pode obstaculizar algum vaso sanguíneo que seja mais estreito, ocasionando consequências graves ao paciente.

Outro nome dado a trombose é embolia. Nesse caso, a obstrução ocorre de forma repentina e, quase sempre, em uma artéria, devido a um coágulo que chegou ao local transportado pela corrente sanguínea.

Uma observação interessante de se fazer é que a trombose venosa profunda pode provocar o surgimento de uma embolia pulmonar, enquanto que a trombose arterial pode causar uma embolia cerebral, condição mais conhecida como AVC.

Fatores agravantes para trombose são:

  • Imobilidade prolongada;
  • Problemas cardíacos;
  • Doenças do sangue;
  • Envelhecimento;
  • Uso de medicamentos com estrogênio;
  • Problemas de coagulação do sangue;
  • Varizes;
  • Traumas e lesões.

 

Diagnóstico de trombose e exames

Além do exame físico, é indicado o ecodoppler vascular, que é um ultrassom dos vasos sanguíneos.

É recomendado que indivíduos com histórico familiar de trombose realizem o teste de fator de coagulação (um exame de sangue). Se ele apontar uma tendência genética para a formação de coágulos, certas medidas podem ser adotadas para evitar ou amenizar tromboses crônicas.

Tratamento

O tratamento para flebite ou tromboflebite e trombose venosa costuma partir do uso de anticoagulantes. Apesar de não ser um processo complicado, devendo o paciente tomar cuidado para seguir as recomendações médicas quanto ao uso do medicamento, é importante lembrar que o acompanhamento com o especialista deve ser frequente e contínuo. Além disso, meias de compressão podem ajudar a evitar a formação de coágulos nas pernas.

Portanto, se você ou alguém de sua família já teve flebite ou tromboflebite e trombose venosa, vale a pena manter o retorno e uma checagem médica. Afinal, qualquer situação, quando tratada logo no início, tem muito mais chances de sucesso.

Agende sua consulta com um de nossos cirurgiões:

☎pelo telefone: 54. 3538.1666
📱pelo whats: 54. 99112.7039 (clique aqui: bit.ly/whatsVena)
💻pelo site: bit.ly/agendarClinicaVena

No Comments

Post A Comment